Sendo sincero

Como já disse nos posts anteriores, não tenho a pretensão de achar que sou um exímio escritor e não quero estar aqui com receio de falar em uma linguagem mais técnica ou direta.
Não quero me preocupar tanto com o formato ou com a forma de falar e sim com o conteúdo que é extremamente importante.
Acho que temos que ser honestos e verdadeiros frente aos problemas que enfrentamos, para que a solução seja sempre mais simples.
Por isso continuo em meu papel de técnico da área de informática para tentar abrir os olhos de todos aqueles que ainda não viram onde realmente está o problema.

Informatiquês

Nessa vida de profissional da área de informática ou de tecnologia da informação, uma coisa que tenho tentado ao longo do tempo, é não me fixar em termos difíceis e bonitos, usando o velho informatiquês que ninguém entende.
Vou tentar me fazer claro e objetivo.
Por isso, vou entrar nos assunto técnicos, tentando traduzir o que for possível para ser um conteúdo de melhor entendimento.

Voltando para o eSocial

Para gestão do eSocial, precisamos nos especializar.
Participei de uma palestra de uma empresa de treinamentos de Belo Horizonte, a Bluetax e haviam 2 auditores fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego, MTE, além de profissionais da área de treinamento e consultoria extremamente qualificados no assunto e que passaram um conteúdo muito relevante.
Quero aqui agradecer o convite para este excelente evento.
Sugiro inclusive, uma olhada no blog e nos conteúdos do Sr.José Adriano (www.joseadriano.com.br), excelente profissional e com muita bagagem e conhecimento.
O fato de acharmos que o eSocial é muito difícil e complexo é um “erro de ótica”. Ele é complexo porque nossa legislação é complexa.
O que mais vi durante as palestras, foram pessoas cheias de perguntas e dúvidas, até que um dos coordenadores do projeto eSocial, membro do comitê gestor disse:

“Em nossas reuniões temos uma frase para responder qualquer pergunta:

Perguntas difíceis, resposta fácil: Faça do jeito que já faz hoje.”

Em outra parte da palestra, esse mesmo senhor disse:

“No Brasil, 100% das empresas tem certeza que não serão fiscalizadas. 3% erram.”

Isso para se referir ao fato de que apenas 3% das empresas são fiscalizadas pelos órgãos responsáveis pela fiscalização das obrigações trabalhistas no Brasil.
E com o eSocial, o que mudará?

100% de empresas fiscalizadas em tempo real e com possibilidade de retroação da fiscalização em 5 anos.
O que fazer então?
Minha sugestão é, arregaçar as mangas e partir ao encontro de ações que façam você crescer em relação ao assunto.

Fechar parcerias, analisar as atuais, buscar conhecimento.
Essas ações são simples e prioritárias.

E será que antes de pensar no cumprimento do eSocial, já estamos pensando no cumprimento da legislação trabalhista?
Precisamos rever os processos de nossa empresa, colocando uma lupa dentro das nossas obrigações trabalhistas e analisando cada uma delas.
O primeiro ponto básico, deve ser a segmentação das informações para facilitar a busca do conhecimento.
Separar as obrigações em assuntos, pode ser um excelente começo e uma ótima estratégia.
Férias, Décimo Terceiro Salário, Admissão, Afastamentos, Exames, etc.
Cada assunto desse já é grande o suficiente para movimentar toda empresa.
Segue aqui mais uma série de conteúdos senão gratuitos, de baixo custo.
Site do Guia Trabalhista.
Lá você encontrará além de muito material, uma versão digital da CLT, por um preço muito justo e com atualização anual.
Site da Nith Treinamentos da Prof.Zenaide Carvalho.
Tenho falado bastante dela. A prof. Zenaide Carvalho tem uma bagagem enorme e pode ajudar muito neste conhecimento.
Site da Bady Curi Advocacia Empresarial.
Pessoal especializado em todas as áreas, inclusive trabalhista e previdenciária.

Caçando talentos

Acho que chegou a hora de bons profissionais se destacarem dentro da empresa.
Sabe aqueles profissionais muito cuidadosos com a origem e qualidade das informações, que estão sempre buscando mais conhecimento técnico? Esses são os melhores para este trabalho.
Cerque-se deles. Troque informação com eles. Monte um grupo de estudos e de trabalho para resolver isso.
Faça com que reuniões periódicas de troca de conhecimento sejam frequentes e que todos saiam delas com mais conhecimento do que dúvidas.
Veja o que pode ser corrigido, melhorado e monitorado.

Falando difícil

No post passado, apresentei nossa ferramenta de monitoramento de processos e informações, o Alert.
Essa ferramenta possui um nome daqueles bonitos e pomposos: BAM – Business Activity Monitoring.
O que isso significa?
Monitoramento de atividade do negócio. Simples assim. Não se assuste com o nome.
O Alert, é apenas uma ferramenta de auxílio no monitoramento daquilo que os especialistas de cada assunto estiverem levantado como um ponto de monitoria.
Pode ser algo relacionado ao eSocial ou não. Se tem na base de dados e é possível ser analisado por um relatório, o Alert é a ferramenta certa para fazer esta análise e entregar os dados mastigados.
Quero aqui, entrar com um exemplo básico para que fique mais fácil de entender mas quero me deixar à disposição para esclarecimentos. Para isso aqui está meu email: rogerio@mentium.com.br
Vamos ao exemplo:

CNH ou Carteira Nacional de Habilitação. É uma das informações cobradas no eSocial e que poderá ser utilizada em várias situações.
Se um profissional é contratado como motorista, é de responsabilidade do empregador controlar o vencimento, tipo e as renovações da carteira de motorista de seu colaborador.
Imagine se você esquece deste controle e um acidente acontece.
Você possui um ambiente do governo que tem a informação de que você sabia que a carteira de motorista estava vencida e que continuou permitindo que ele conduzisse o veículo.
Imagine a justiça utilizando essa informação.

Outro erro comum sobre o eSocial

Um erro muito comum que tenho visto, é achar que o eSocial é uma nova lei ou que é apenas um novo sistema ou declaração do governo.
O eSocial é na verdade um grande repositório de dados. Um armazém de informações que pode ser consultado por qualquer órgão que o governo deseje que tenha acesso.
Isso tudo com informações enviadas por cada empresa e assinadas com um certificado digital que garante legitimidade jurídica de que o empregador está ciente do que está enviando.
E o que isso significa? Uma auto-confissão.
Por isso, analisar constantemente suas informações e fazer a gestão delas é tão importante.
Vou entrar com um novo termo bonito: Análise preditiva de dados.
É apenas um tipo de análise feita para prevenir situações. É buscar situações que possam ser evitadas.
No caso do exemplo anterior, é definir uma política de gestão das CNH´s e utilizar o sistema para monitorar e avisar em cada passo no processo da gestão, evitando problemas futuros.

– Dados em duplicidade (PIS, CPF, etc).
– Dependentes com idade fora da legalidade de dedução do IRPF.
– Dependentes irregulares em relação ao Salário Família.
– Controle de vencimento de perícia do INSS para retorno ao trabalho.
– Vencimento de atestado de saúde ocupacional.

Estes são apenas mais alguns exemplos de dados a serem monitorados.

Porque o Alert?

Existem algumas excelentes opções de ferramentas de BAM no mercado.
Gostaria de sugerir aqui, a leitura do Storytelling do Alert. A história de como ele foi criado.
Lá, você irá perceber que o Alert foi criado para resolver estes problemas.
E quero contar aqui também como nasceu o nosso mascote, o Grifo.

Em uma das reuniões para definirmos se o nome Alert era o mais adequado e escolher uma logo para ele, eu expliquei para nossa especialista em marketing que eu tinha um software no celular que se chama Cerberus e que além de monitorar o uso, me avisa em algumas irregularidades como senha incorreta ou algo assim e me permite consultar uma página da web para verificar o status dele no momento.
Eu expliquei que o Alert é parecido em conceito mas que eu não queria associá-lo à nenhuma imagem ou nome negativo.
Para quem não conhece, Cerberus é uma figura da mitologia grega que é um cachorro de 3 cabeças que guarda as portas do inferno.
Não era bem isso que queria mas era em conceito parecido.
Ela na mesma hora sugeriu: O Grifo. Me contou que o Grifo era um ser mitológico e que aparecia nos filmes do Harry Potter.
Busquei no Google o nome Grifo e encontrei a seguinte descrição no site www.estudopratico.com.br/grifos-mitologia-grega:

“Na Grécia, dizia-se que os grifos eram usados pelos deuses como guardiões, pois eram criaturas fortes e ferozes, que assustavam e podiam chegar a enfrentar as pessoas para cumprir a missão para qual eram designados. Por exemplo: Dionísio utilizava os grifos para proteger sua famosa cratera de vinho, já Apolo tratava-os como guardiões dos seus tesouros no país de hiperbóreos, na Cítia. O poderoso Zeus, deus dos trovões, tratava os grifos como seus cães de guarda – dizia-se, inclusive, que os grifos pertenciam à ele.”

Perfeito, uma figura da mitologia que não era associada com o mal, mas que era usada em diversas situações diferentes. Era um guardião de tesouros, não importando qual seja o tesouro de seu dono.
O Alert é assim, guarda aquilo que é importante para cada empresa.
Outro diferencial do Alert, é que a maioria dos softwares de BAM do mercado, utilizam ferramentas de construção e de análise complexas que necessitam de treinamento e mudança de cultura.
Quando criamos o Alert, procuramos utilizar uma linguagem simples de consulta de dados, o Sql que é a linguagem padrão da maioria dos softwares do mercado.
Se você não entendeu essa parte não se preocupe, a equipe da Mentium pode ir até você e explicar e analisar se seu software é atendido pelo Alert.
Na maioria dos casos a resposta é sim pelo padrão que escolhemos no mercado.
Outra coisa que fizemos, foi utilizar o Excel ou qualquer outra ferramenta de planilha eletrônica para análise dos dados e email e sms para envio.
Assim, garantíamos que não necessitaria de treinamento para utilização rápida dos resultados.
Enfim, todos podem se beneficiar.

Resumindo

O importante neste momento, é saber que o problema é grande e que temos que resolver tudo em tempo record.
O tempo passa rápido e não podemos correr o risco de não estarmos preparados para esse grande desafio.
Inicie rapidamente a análise de seus processos e de suas informações e conte com a gente para ajudá-lo na solução e monitoria.

Rogério Giffoni